Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/08/17 às 15h21 - Atualizado em 8/11/18 às 16h46

Mutirão da Simplificação supera meta de atendimento em Samambaia

COMPARTILHAR

Subsecretário da SEDES enxerga sinal de recuperação da economia

O Mutirão da Simplificação em Samambaia superou a expectativa dos organizadores em relação ao número de atendimentos a empresários. A quarta edição do evento este ano, organizado pelo Sebrae com o apoio do Governo de Brasília, por intermédio da SEDES, prestou 4.906 atendimentos durante os cinco dias (31/7 a 4/8) em que a tenda esteve montada junto à Feira Permanente de Samambaia. Este número é 21% a mais do que a meta estabelecida pela organização e se refere a qualquer tipo de atendimento a pessoa física ou jurídica, desde a abertura de empresas até as palestras do evento, passando pela simples prestação de uma informação.

 

No Mutirão da Simplificação em Samambaia foi possível abrir, regularizar ou mesmo dar baixa em uma empresa por meio do Registro de Licenciamento de Empresa, o RLE, e este número também ficou acima do que se esperava. Foram 365 atendimentos pelo RLE, 23% acima da meta. “A procura pela formalização de empresas é um sinal de que a economia começa a se recuperar, pois o empresário volta a enxergar oportunidades de negócios”, avalia o subsecretário de relação com o setor produtivo da SEDES, Márcio Faria Júnior. Por meio do RLE, o empresário poupa tempo, porque regulariza a situação da empresa pela internet, já que na maioria dos casos não precisa ir a vários lugares para conseguir o licenciamento. Aliás, o instrumento, que ganhará mais agilidade ainda este ano, atingiu 7.767 atendimentos em julho, um recorde desde que foi criado em 2015.

 

Foto: Cleverlan Costa

Na opinião do subsecretário, o Mutirão da Simplificação em Samambaia superou as metas porque houve o

envolvimento de diversos órgãos na organização, e não apenas do Sebrae. “Todo mundo comprou a ideia e a Administração Regional também comprou. O administrador chamou os empresários da cidade para que fossem ao Mutirão resolver seus problemas”, conta Márcio Faria Júnior. Outro desses órgãos foi o Conselho Regional de Contabilidade (CRCDF), que encaminhou para o Mutirão dez contadores. Eles entraram em cena quando algum empresário precisava resolver um problema e a empresa não possuía um profissional de contabilidade. “Isso prova que o RLE não veio, de forma alguma, para tirar emprego do contador, pois, mesmo com o sistema, uma empresa sempre vai precisar do acompanhamento desse profissional”, assegura o subsecretário.

 

Os próximos mutirões serão em São Sebastião, de 11 a 15/9, e Paranoá, de 2 a 6/10 (datas previstas).